CBShalom

Loading...

BEM-VINDO...BIEN VENIDO...WELCOME

Estamos iniciando nosso blog que pretendemos manter ativo, informativo, renovado e interativo com nossos amigos.
Será, sem dúvida, provocativo pelo seu teor de temáticas de abordagens sobre a espiritualidade no Reino de Deus.


Porém, sempre uma espiritualidade de valores transcendentais encarnados no quotidiano da vida. Jamais, ópio alienante da realidade tanto existencial como eterna, em Cristo Jesus.


Sejam todos bem-vindos ao nosso blog Caminho do Reino...

CBShalom Internacional

Loading...

Qual a diferenca entre religiao e reino de Deus?

Pesquisar este blog

Seguidores

sexta-feira, 9 de março de 2012

PESCADORES DE HOMENS OU ZELADORES DE AQUÁRIOS?


“Vinde após mim e eu vos farei pescadores de homens” – Jesus
A metáfora que nosso Senhor usou para ilustrar o zelo evangelístico e missionário dos cristãos, não poderia ter sido mais feliz. Ele tinha em mente, por certo, os pescadores de seus dias, homens rudes, mas trabalhadores, que em toscas embarcações se atiravam ao mar em busca de alimento. Seu serviço era dos mais pesados e exigia uma série de qualidades tais como paciência, perseverança e acima de tudo trabalho constante. Dia e noite estavam eles a postos, singrando o mar, estudando a direção do vento, buscando novos cardumes. Seus instrumentos de trabalho precisavam estar sempre em boas condições exigindo-lhes, por isso, cuidado no preparo dos barcos e no remendo das velhas redes. Eram rudes e pobres mas nem por isso, fracos e ignorantes. Pelo contrário.
1. CHAMADOS PARA A MISSÃO
Naqueles dias só se aventuravam ao mar os fortes de corpo e alma. A pesca não era para os fracos e covardes. Estes ficavam na praia, esperando de manhãzinha o fruto colhido nas redes lançadas durante a noite – noite nem sempre calma, às vezes, bem tormentosa. Nosso Senhor precisava de homens assim. O trabalho de evangelização só poderia ser realizado por gente afeita a tempestades, a longas vigílias e a esperas intermináveis. Paciência, coragem, perseverança e uma porção de coisas necessárias a um bom missionário, eram qualidades que não poderiam faltar aos pescadores de homens. Foi o que Jesus fez. Pedro, Tiago, João e muitos outros apóstolos e discípulos após o convite do Senhor, embrenharam-se por todos os cantos do seu mundo ainda pequeno, mas já tão perigoso, em busca de vidas que aceitassem aquilo que eles já haviam aceito, que Jesus era o Cristo de Deus, o único Senhor e Salvador da humanidade.
2. IGREJA – AQUÁRIO
Mas entendo que o Senhor jamais sonhou que os cristãos com o passar do tempo, poderiam deixar de ser pescadores de homens para se transformarem em plácidos zeladores ou pescadores de aquários! Pois não é verdade que nossas igrejas, em sua grande maioria, não passam de aquários bem cuidados, com meia dúzia de peixinhos dourados a nadarem em águas tranquilas?
E nós, em que nos transformamos nós – ministros, pastores, catequistas, sacerdotes – muitas vezes, senão em meros guardiões de aquários bonitinhos, substituindo um ou outro peixinho que morre por outros de outros aquários. Ora oferecendo migalhas de pão à hora certa, mudando essa ou aquela planta para que os raros habitantes de nossos aquários não pereçam à míngua de oxigênio? Os resultados aí estão. Uns acostumados a dar sempre ou quase sempre a mesma coisa, outros a receber sempre ou quase sempre a mesma coisa, numa rotina aniquilante, geradora de condicionamentos religiosos dignos de estudo por um Pavlov.
Além disso, tem o tamanho do aquário. Pequeno ou grande, não importa, sempre aquário, deixando ver o que se passa lá fora, mas impedindo o habitante de aventurar-se a águas desconhecidas. Aliás, isso não é possível. Primeiro, porque o zelador geralmente não deixa. Depois, porque o peixinho não tem condições para lançar-se a mares bravios, sob pena de perecer à sanha de animais acostumados a viver em águas profundas e revoltas.
3. DESPERTAR PARA A REALIDADE
Ora, pensam muitos, se a Igreja se transformou em aquário e nós em peixinhos dourados e/ou zeladores, o melhor é deixar como está. Ninguém mexe em estruturas fixas impunemente. É perigoso. É impopular. Talvez não seja nem da vontade de Deus. E, enquanto as racionalizações se sucedem, a Igreja vai ficando como está, introvertida, ensimesmada, preocupada consigo mesma, vivendo e morrendo para si mesma...
Não é para menos que muitos ministros e leigos se sintam frustrados, no primeiro contato com a realidade que encontram fora do aquário. O mar nem sempre é calmo, as noites nem sempre serenas. É que os conceitos românticos acumulados em suas mentes, aprendidos em seminários, grupos de estudo e discussão, aulas baseadas nas últimas técnicas de educação religiosa e temas fundamentados em livros bem traduzidos, não coincidem com a realidade chocante e desconcertante que existe fora do aquário. Desiludidos, descobrem que a igreja, longe de viver as realidades desta vida, contenta-se não poucas vezes, em cunhar frases bonitas sobre os acontecimentos do passado ou promessas do futuro que a envolvem e que realmente fazem história. De duas, uma: ou prosseguem definhando, ou contentam-se em viver alienados serenamente no aquário.


4. O DESAFIO TRANSFORMADOR
 “Graças a Deus, porém, que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo.” Graças a Deus que suscita homens e mulheres de fé e coragem, pescadores que estudam as evoluções dos ventos nos céus e sondam as águas dos mares em busca de cardumes, não importa onde se encontrem. Pode ser perto dos rochedos, pode ser em torno de recifes traiçoeiros, pode ser até em alto mar. Não importa o perigo. O que importa é ser pescador de verdade, que depois da pesca deita o fruto de seu labor aos pés daqueles que sentados nas areias da praia, não tiveram coragem de enfrentar os perigos da noite. Jamais se contentar em zelar aquário e/ou pescar em aquário alheio (proselitismo) que incha a Igreja, mas não cresce o Reino de Deus.
Nos dias de Jesus a pesca não era para os fracos e covardes. Por isso Ele escolheu os fortes de corpo e alma. Nos dias atuais, a pesca de vidas continua sendo para os que não temem os perigos do mar. Por isso, uns são pescadores de verdade. Outros fazem poesia sobre pescaria. Todos os cristãos, somos chamados a testemunhar a fé em Cristo. Uns, porém contentam-se em zelar e pescar em aquários dos outros. Outros são impelidos pelo Espírito Santo, ao alto mar! Voltarão, sem dúvida, trazendo abundantes peixes para depositar aos pés do Senhor de todos!

Texto adaptado de Rev. Curt Kleemann 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.