CBShalom

Loading...

BEM-VINDO...BIEN VENIDO...WELCOME

Estamos iniciando nosso blog que pretendemos manter ativo, informativo, renovado e interativo com nossos amigos.
Será, sem dúvida, provocativo pelo seu teor de temáticas de abordagens sobre a espiritualidade no Reino de Deus.


Porém, sempre uma espiritualidade de valores transcendentais encarnados no quotidiano da vida. Jamais, ópio alienante da realidade tanto existencial como eterna, em Cristo Jesus.


Sejam todos bem-vindos ao nosso blog Caminho do Reino...

CBShalom Internacional

Loading...

Qual a diferenca entre religiao e reino de Deus?

Pesquisar este blog

Seguidores

terça-feira, 27 de março de 2012

A INDÚSTRIA DA BOATARIA

por Ap. Jota Moura
O Túmulo de Abraham Lincoln foi aberto duas vezes, conta-nos o laureado escritor Charles R. Swindoll.
Desenterrando Defunto
A primeira vez ocorreu em 1887, vinte e dois anos após seu assassinato. Por quê? Não foi para saber se ele morreu por causa do tiro dado por John Wilkers Booth.  Mas por causa de um boato que estava atravessando o país, um rumor de que seu túmulo estava vazio. Um seleto grupo de testemunhas observou que o rumor era totalmente falso, quando viu o caixão ser aberto. Uma segunda vez, quatorze anos depois, o corpo decomposto do martirizado homem foi visto mais uma vez. Agora por mais testemunhas. Pelo mesmo motivo criado pela indústria da boataria!
A pressão popular atingiu tal proporção, que a mesma grotesca cerimônia teve que ser realizada. Apesar dos fortes protestos de Robert, filho de Abraham Lincoln, o corpo deste foi exposto uma segunda vez. As autoridades sentiam que os boatos deviam descansar de vez juntamente com o presidente da Guerra Civil. Finalmente, seu corpo foi acomodado numa cripta em Springfield.
Boatos São Assim
Com uma completa falta de fatos e de uma fonte concreta, a informação é passada adiante, criando desconforto e machucando pessoas. É como um pequeno parasita que se alimenta do apetite doentio de pessoas desprovidas de bom senso. Gente que encontra satisfação em caminhar por becos mal-iluminados, jogando discretas bombas que explodem nas mentes de outras pessoas, iniciando uma série de rumores. Tais elementos sentem-se confortáveis em serem inocentes canais de informações incertas... nunca a fonte.
Os chavões sempre presentes: Ouvi falar... Você ficou sabendo? Ou... Dizem por aí... produzem segurança para o espalha-boatos.
Ouvi falar que o Ferdinand e a Flo estão se divorciando... estão comentando que ela o traía. Ouvi o comentário de que ela é muito fácil... e ele é um garanhão...!
Dizem por aí que o padre Baunilha foi expulso da igreja... imagine porque?
Fiquei sabendo que o filho deles está usando drogas... ele foi pego roubando um supermercado.
Alguém disse que eles tinham que se casar... às pressas porque ela... e ele bebe demais. Comenta-se que ele finalmente conseguiu roubar a vaga de outro... e diz que foi promovido.
Muitas pessoas na comunidade andam tocando essa flauta! As azedas melodias são ouvidas através de inúmeras ligações telefônicas, chamadas no rádio ou na internet... conversas no café da manhã... nos momentos de trabalho...  de confraternização após o culto ou missa... ou numa preguiçosa noite com os amigos.
Poder Destrutivo da Língua
A língua é mais capaz de desenterrar assuntos, expor os esqueletos nos armários, e espalhar os mais chocantes e escandalosos boatos do que qualquer outra ferramenta na Terra. Transmitir para as pessoas más informações, usando a lógica fria e explorando as emoções humanas, sem exercitar a misericórdia e o genuíno amor cristão é infectá-las.
O contágio acontece através da transmissão de más informações, colocações duvidosas, atitudes erradas, opiniões e conclusões sem afeto cristão. A infecção corrompe a relação produzindo destruição de famílias, amizades e comunhão fraterna na Igreja.
Virose Coletiva
Como a indústria da boataria provoca uma virose coletiva? Simplesmente através do colóquio de uma língua infeccionada com um ouvido fofoqueiro. Isso leva as pessoas a crerem na má informação como sendo verdadeira baseada apenas na fonte transmissora. Formar opiniões ou conceitos baseados em informações de terceiros, sem averiguar os fatos. Enfocar apenas aspectos negativos da pessoa envolvida, sem considerar sua personalidade total e sua história de vida. Interpretar palavras e ações da pessoa difamada, como sendo confirmação evidente. Julgar as motivações alheias, tomando por base as informações más. Virar as costas para uma pessoa e cortar a comunhão, sem discernir seu espírito, sem conhecer sua história e sem dar-lhe a chance de defender-se.
Atitudes Construtivas
Recomendamos quatro atitudes corajosas para silenciar aqueles que promovem a indústria da boataria:
1) Identifique as fontes por nome. Se alguém estiver determinado a compartilhar informações que são danosas, exija que a fonte de tais informações seja declarada.
2) Apoie as evidências sobre fatos. Não aceite informações que sejam meros boatos. Recuse-se a ouvir algo além da verdade irrestrita. Você deve saber que a verdade raramente é incerta ou dissimulada.
3) Faça a pergunta chave. Posso falar que foi você quem me contou? É incrível como os fofoqueiros fogem depois que essa pergunta é feita.
4) Use de franqueza. Diga firme e claro: Não gosto de ouvir fofocas. Essa abordagem é para os mais fortes. Ela pode criar um abismo entre você e a pessoa... mas é um modo eficiente de limitar a quantidade de lixo que chega aos seus ouvidos.
Você já pensou, como as pessoas seriam mais sábias e felizes, se todas usassem sempre as quatro atitudes recomendadas acima, antes de abrir a boca para tecer algum comentário ou passar informações negativas sobre outros? Veiculando má informação acerca de outra pessoa, você se torna parte de um contágio virótico mortífero! E então, por que ser um instrumento de morte e não um canal de vida nas mãos do Senhor Jesus Cristo?   

Boston/MA-USA Março 2009 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.