CBShalom

Loading...

BEM-VINDO...BIEN VENIDO...WELCOME

Estamos iniciando nosso blog que pretendemos manter ativo, informativo, renovado e interativo com nossos amigos.
Será, sem dúvida, provocativo pelo seu teor de temáticas de abordagens sobre a espiritualidade no Reino de Deus.


Porém, sempre uma espiritualidade de valores transcendentais encarnados no quotidiano da vida. Jamais, ópio alienante da realidade tanto existencial como eterna, em Cristo Jesus.


Sejam todos bem-vindos ao nosso blog Caminho do Reino...

CBShalom Internacional

Loading...

Qual a diferenca entre religiao e reino de Deus?

Pesquisar este blog

Seguidores

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

NOSSA CONFISSÃO

O termo bíblico traduzido por confessar, tanto no hebraico(tôdhâ) como no grego(homologein), tem dupla conotação: confissão de fé e confissão de pecado. Por um lado, confissão significa declarar publicamente a própria relação e lealdade com Deus. Trata-se de uma entrega voluntária a Deus, na presença do mundo, mediante a qual um indivíduo ou uma congregação se ligam por lealdade a Deus na pessoa de Jesus Cristo. Portanto, é um compromisso de fé que pode ter eternas consequências escatológicas. Por outro lado, significa reconhecer a natureza humana pecaminosa e culpa à luz da revelação de Deus, sendo, por isso mesmo, um sinal externo do arrependimento e da fé em Cristo. No Antigo Testamento a confissão podia ser ou não seguida pelo perdão (Js 7.19; Lv 26.40; Sl 32.5). No Novo Testamento a confissão sempre pressupõe o arrependimento que leva ao perdão incondicional pela graça de Cristo (Mt 27.4; 1Jo 1.9).

1. CONFISSÃO NO ANTIGO TESTAMENTO
No Antigo Testamento a confissão voluntária frequentemente se reveste do caráter de louvor, quando o israelita agradecido, declara o que Deus fez pela redenção de Israel ou pela sua própria alma. O substantivo hebraico (tôdhâ) pode significar confissão, agradecimento, louvor ou até mesmo ser usado para significar um grupo de pessoas que entoam hinos de louvor. O reconhecimento dos poderosos atos de Deus, nos quais Ele mostra Sua misericórdia ou poder de livrar está consequentemente ligado com a confissão e forma uma parte integral da oração e da adoração autêntica (Gn 3.9-11; 1Rs 8.35; 2Cr 6.26; Ne 1.4-11; 9; Jó 33.26-28; Salmos 22, 32, 51, 116; Dn 9). A confissão voluntária pode levar o fiel a reconsagrar-se a Deus, a entoar-Lhe hinos de louvor, a oferecer-Lhe sacrifício de regozijo, e infunde o desejo de falar aos outros sobre a misericórdia de Deus identificando-se com outros na adoração ao Senhor.

2. CONFISSÃO NO NOVO TESTAMENTO
No Novo Testamento, o vocábulo grego traduzido por confessar, tem o sentido genérico de reconhecer algo, em concordância com outros, empregado para referir-se à fé em Cristo. Inclui em si os aspectos de agradecimento e louvor voluntários do Antigo Testamento, além do aspecto novo de submissão espontânea ao Governo de Deus (Mt 11.25; Rm 15.9; Hb 13.15). No entanto, significa mais do que simplesmente assentimento mental. Pois subentende uma decisão de comprometer-se a ser leal a Jesus Cristo como seu Senhor, em resposta à operação interna do Espírito Santo.
Confessar a Jesus Cristo, portanto, é reconhecê-Lo como o Messias Ungido de Deus (Mt 16.16; Mc 8.29; Jo 1.41; 9.22), como o Filho de Deus (Mt 8.29; Jo 1.34, 49; 1 Jo 4.2; 2 Jo 7), e também como Senhor ressurreto dentre os mortos (Rm 10.9; 1 Co 12.3; Fp 2.11).
A confissão de Jesus Cristo está intimamente ligada com a confissão voluntária de pecado. Pois confessar a Cristo é declarar que Ele morreu por nossos pecados e buscar em Cristo o perdão gracioso (1 Jo 1.5-10).  João Batista conclamava o povo a confessar a Deus seus pecados, sendo também a confissão um elemento constante tanto no ministério de nosso Senhor como dos apóstolos (Mt 3.6; 6.12; Lc 5.8; 15.21; 18.13; 19.8; Jo 20.23; Tg 5.16).

3. CONFISSÃO E CURA
A confissão de fé em Jesus deve ser feita abertamente diante de todos os seres humanos (Mt 10.32; Lc 12.8; 1 Tm 6.12), por palavra proferida (Rm 10.9; Fl 2.11) e mesmo quando for difícil (Mt 10.32-39; Jo 9.22; 12.42).  A confissão voluntária de pecado, semelhantemente, é endereçada primariamente a Deus. No caso de pecado contra o próximo, deve haver busca de perdão e reconciliação com quem houve a ofensa. (Mt 18.15-19). Pode haver também confissão pública voluntária pelo poder do Espírito Santo (At 19.18) e confissão a pessoas maduras para liberação de perdão e cura (Tg 5.16), contanto que isso sirva sempre para edificação e restauração (Ef 5.12; Gl 6.1,2). O verdadeiro arrependimento pode requerer o reconhecimento da culpa perante um irmão (Mt 5.23,24), porém, nenhuma sugestão existe nas Escrituras que devamos fazer confissão compulsória para quem quer que seja, particular ou publicamente. Isso seria, a instauração da “santa inquisição” outrora praticada pela Igreja Católica.

4. AGENTE DA CONFISSÃO
Tanto a confissão sobre Jesus Cristo como a confissão de pecados é obra exclusiva do Espírito Santo (Jo 16.7-11), assim sendo a marca da verdadeira Igreja, o Corpo de Cristo (Mt 10.20; 16.16-19; 1 Co 12.3). Por esse motivo precede o batismo cristão (At 8.37; 10.44-48), prática essa que deu origem a alguns dos primeiros credos e confissões de fé da Igreja, os quais adquiriram significação ainda maior com o surgimento do erro e das doutrinas falsas (1 Jo 4.2; 2 Jo 7).

5. CONFISSÃO FINAL
O padrão perfeito de confissão nos é fornecido pelo próprio Senhor Jesus, que fez boa confissão perante Pôncio Pilatos (1 Tm 6.12,13). Ele confessou que era o Cristo – Ungido (Mc 14.62), e que é o Rei (Jo 18.36). Sua confissão foi feita perante os homens, contradizendo o testemunho falso de Seus próprios discípulos (Mc 14.68), e isso muito Lhe custou, pois teve consequências eternas para toda a humanidade. A Igreja, em sua confissão, identifica-se, perante muitas testemunhas, com a boa confissão de Seu Senhor crucificado, mas ressurreto Salvador. A confissão da Igreja (de fé e de pecado) é um sinal de que a velha natureza está morta com Cristo e que é possuída por seu Senhor, a Quem a Igreja tem a missão de servir.
Um dia Cristo confessará perante o Pai, como Seus todos aqueles que agora O confessam, mas também negará aqueles que agora O negam (Mt 10.32,33; Lc 12.8; 2 Tm 2.11-13).  A confissão com a boca é feita tendo em vista a salvação eterna (Rm 10.9,10,13; 2 Tm 2.11-13; 2 Co 4.14,14); e nossas confissões atuais são apenas uma amostra da confissão que a Igreja fará no último dia, quando todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai (Fp 2.11; Ap 4.11; 5.12; 7.10).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.